sexta-feira, 16 de outubro de 2009

A CET e a evolução do homem. Ou seria do automóvel?
É fato comum que os ciclistas elegeram como um de seus maiores inimigos a CET (companhia de Engenharia de Tráfego), por não valorizar iniciativas que visam dar mínimas condições para usar a bike como meio de transporte na cidade de São Paulo.
No entanto, sou testemunha que o trânsito paulista é caótico, não importa a hora do dia, ou até mesmo da noite. Pedalar com tranqüilidade só depois das dez da noite, e olhe lá!
Então, permito-me ver esses senhores uniformizados, como pessoas que fazem o possível e, às vezes, o impossível para conseguir a proeza de permitir que o trânsito flua minimamente. Como moro na zona leste de São Paulo e trabalho em Cotia, sou testemunha e beneficiador das ações desses profissionais.
Evidentemente, as ações para que nós, não só por sermos amantes do ciclismo, mas de todos que querem levar uma vida mais saudável sobre uma bike, possamos pedalar sem sermos alvos de xingamentos, fechadas e ,lamentavelmente, atropelamentos, ainda são muito tímidas.
Temos poucas ciclovias é verdade, porém as autoridades estaduais e municipais, por meio de seus legítimos representantes, neste semestre tomaram algumas iniciativas, tais como a ciclo faixa aos domingos, isso em algumas de regiões de São Paulo e a futura Ciclovia às margens do Rio Pinheiros, que segundo reunião presenciada por mim no Palácio dos Bandeirantes, farão um pouco mais de justiça a nós ciclistas.
Como lembrete, peço que, respeitosamente, enviem este texto e o pôster anexo à CET, a fim de sensibilizá-los cada vez mais.
À CET meus votos de acolhimento a nós ciclistas. ¡Muchas gracias!