sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Caminho da Fé: Um sonho! Por Paulo Ribeiro - Recife - 2ª edição

Tudo começou em outubro deste ano, quando comprei minha bike após ter lido o livro “No guidão da Liberdade” do Antonio Olinto, adorei a mensagem de vida contida em suas linhas além da aventura que é rodar o mundo durante 3 anos e quatro meses em cima de uma bike e dormindo numa barraca de acampar. Só fiquei pensando na dificuldade de se tomar banho e fazer “the number two”.

Aqui em Recife, passei a fazer passeios noturnos e trilhas nos finais de semana com os diversos grupos aqui existentes. Realmente não tive tempo para repetir a mesma trilha e refazer as dificuldades de cada trecho. O Caminho da Fé efetivamente só foi possível fazê-lo em razão de uma promoção de uma companhia aérea que não gosta de bikers que ofereceu o trecho Recife-Campinas-Recife por módicos R$250,00 em 5x!

Até o dia 03/12 tentei em diversos sites e principalmente no mural do Caminho encontrar possíveis parceiros mas após alguns contatos não se concretizaram nenhum.

O jeito foi ir sozinho e eu fui...

O DESLOCAMENTO
Finalmente é chegado o dia 03/12(quinta-feira), mal consegui dormir, levantei-me antes do horário programado e me coloquei a finalizar a arrumação das tralhas com o máximo de cuidado para não esquecer nada de importante.

A magrela já estava me esperando, desmontada em uma caixa.


Pedi um táxi alertando que deveria ser um carro “especial” do tipo Parati ou Palio weekend, veio um Meriva, mas felizmente coube.

No aeroporto fui direto ao check in, anunciada a já esperada cobrança de uma taxa de cem reais, pedi para falar com o supervisor, oportunidade em que apresentei um parecer da gerência regional da ANAC do RS em que diz categoricamente que a cobrança não há previsão legal, obviamente não adiantou de nada, neste país tudo é permitido.

O INÍCIO
Felizmente o vôo saiu na hora, 3:30h com chegada prevista a Campinas às 07:30h no horário de verão.

Ao desembarcar peguei um transfer até a rodoviária pela Caprioli e lá um ônibus até Tambaú/SP.

Tenho certeza que o tempo de deslocamento até Tambaú/SP foi maior que o do avião. O ônibus saiu as 09:50h e só chegou a Tambaú às 13:30h, pois foram cerca de cinco paradas. Deveria ter começado a pedalar na terceira parada.

Em Tambaú, consegui uma carona em uma Pampa até a bicletaria do Dú, deixei a magrela se arrumando e fui rangar, optei por não comer muito pois ia pedalar ainda até Casa Branca/SP, segui até a sede do Caminho onde seu Neto providenciou a credencial. Até então não havia notícias nem de bikers nem de andarilhos que tivessem saído de Tambaú naquele dia ou no anterior. Somente após todos os ajustes cuidadosos do Dú saí às 16:00hs para começar a pedalar.