terça-feira, 8 de dezembro de 2009

HAKA RACE - Adrenalina e emoção numa competição de aventura! - Depoimento animal!


Como já havia informado no Blog, de sexta a domingo rolou uma tremenda avalanche de competições para aventureiros de todos os estilos dentro do FERA (Festival de Esportes Radicais de Atibaia)

Minha querida amiga, Elaine Pichialini, uma grande atleta do Mountain Bike, com a força de sua juventude, adora desafios maiores. E, segundo ela, nada melhor que uma corrida de aventura para “acalmar os nervos, eliminar as tensões”.
Então, sem mais delongas, vamos curtir juntos a saga emocionante de dois jovens destemidos:

RELATO HAKA RACE 5 DE DEZEMBRO DE 2009 – ATIBAIA
Equipe: Equilíbrio Selva
Elaine Pichiliani e Marcelo Sinoca.

Já não é novidade que a aventura começa antes da corrida e a última etapa do Haka em Atibaia não foi diferente. Sexta-feira, 7pm AT bike = Pedra Grande.

Às vezes me pergunto, será que preciso de tanta emoção? Morro acima, garoa fina, alguns kms e o 1º. Carro atolado. Pedras, crateras e começa “La bamba”, sacode de um lado, do outro, escorrega, roda gira, eu TENSA! Mulheres! Ufa, Bikes no AT ok.

Hora de o meu navegador namorar o mapa e eu ajudá-lo proporcionando silêncio, fui dormir! A prova prometia! E o uniforme também, cor de rosa, cor da sorte!
Antes da largada: Rever amigos e dar aquele abraço de BOA SORTE é muito bom! Alex e Nazá, você moram no meu coração!

Tudo pronto, largada! SHOW! O trekking começa rumo à pedra grande e uma entrada certa já nos deixou entre os 10 primeiros. Importante: chegar ao PC 2 e não ter que esperar o vertical. A seqüência foi: segura na mochila faz força, sobe, respira, e não para, tudo de novo nessa mesma ordem até o fim! Foi assim até terminar o trekking e pagar a bike. Se eu tivesse olhado para o lado na hora que atravessei a pedra, certeza que empacava. O vento estava muito forte e ouvi o meu grande amigo Nazá: Não precisa correr, anda! Mal sabia ele que eu queria chegar logo ao outro lado.

PC3 Bike ok e “sangue nos olhos”, hehehe! Navegação certinha e entramos na trilha, e fomos assinando os PCs. Tudo perfeito! Chegamos ao AT, larga bike e mais um pouco de trekking. Lembrei de um email sobre coca-cola e senti na prática a tal da corrosão. Não devia ter tomado aquela latinha, não fez bem não!

Continuamos rumo ao remo e no caminho fui pensando, hehehe, vou descansar; esticar as pernocas, relaxar, apreciar o visual. Chegamos e quando eu vejo aquele caixão amarelo em forma de bóia. O jeito foi trabalhar e remar. O Marcelo que não é nada bobo sentou no camarote e ficou atrás para não perder nenhum momento, isto é, nenhum CAPOTE!

Com toda a certeza o remo foi a parte mais divertida. Eu só ouvia: “Lã, abaixa a cabeça”, eu: “quando?” e o Marcelo: “agora!” e eu: “agora?” e ele: “ehhhhhh” e eu: “SPLASH!”. Isso se repetiu pelo menos 5 vezes Eu avistava o galho, mirava passar por baixo, pelo lado, mas na hora, não sei explicar, a vontade de segurar era muito grande, inconsciente, automática (antecedentes primatas talvez) e eu pegava forte e não largava e o caixão ia embora e eu lá, pendurada! Hahaha, tenho que admitir, a mais cabeçuda! Fora o visual, galhos, árvores, rumem...deixa pra lá!
Final do remo faltava pouco. O Nazá avisou, menos de 20min para a 1ª dupla e quando não podemos vencer o jeito é nos unirmos, BORA chegar! Saímos correndo e o único erro de navegação nos fez perder +/- 20 minutos e um salto da 2ª para a 5ª. posição. Nada de desanimar, de ficar borocochô, ÂNIMO! Nessa hora comecei a gritar para o Marcelo, pedi força, garra, coragem, concentração. Não sei se ele atendeu porque não agüentava mais minha voz ou porque queria chegar logo, mas respondeu e tirou forças para me puxar no trekking.

Eu avistava 1 rabo de saia e já ficava pilhada, nada de descanso, nada de parar. Passamos por um túnel e ali consegui ver o filme da corrida. Somente 1 atleta ouviu o eco e sentiu a mesma emoção que eu! Não importava mais a o destino, a posição que íamos chegar, mas todo o trajeto percorrido, a alegria que ficou marcada durante toda a corrida. Impossível não demonstrar felicidade quando fazemos o que gostamos com vontade, alegria, dedicação, com amor!

Chegamos ao AT, pagamos a bike e ainda fomos buscar mais uma dupla. Eu ainda na orelha dele pedindo força. Tudo bem que o Marcelo me empurrava com raiva, não aquele empurrão amigo, mas aquele que é para se ver livre do encosto, mas teve resultado. Entramos na cidade; seguimos forte e eu consegui ver a o último PC e ali era a hora, a hora de levar um rola! Um carro bateu na minha roda traseira e eu cai. Bati cabeça, fiquei atordoada e com o pedal preso e só escutei: “levanta, levanta” , HOMENS! Levantei, tirei o pó, corrente solta e ouvi: “Pedala, Pedala”, HOMENS!
Levantei e seguimos para a chegada. Pude avistar a dupla na frente, só faltava descer o gramado mas não consegui alcançar, minhas pernas tremiam, minha cabeça latejando, mas cheguei. Apesar de chegar um pouco desequilibrada, Equilíbrio Selva, 3º. Lugar, Haka Race Atibaia!

Obrigada a todos que apoiaram que torceram que nos incentivaram. E quem venha 2010, aliás, Campanha: VOLTA NAZÁ!!!
Elaine Pichiliani