sábado, 29 de maio de 2010

Xô esteróides e anobolizantes! Não dê uma de otário

Pô meu biker camarada, não seja otário de entrar numas de esteróides e anobolizantes, por favor!

E não sou só eu, Professor Arnaldo que está afirmando isso. O cenceituado Professor Hélio Souza, da HE Assessoria Esportiva, de maneira mais amena, explica os porquês:

A utilização de substâncias ilíticas não é uma prática exclusiva do esporte, muito menos do ciclismo. Infelizmente milhares de jovens (homens e mulheres), adultos e, por incrível que pareça, alguns idosos fazem uso deste tipo de substância. Os motivos são muitos, mas os principais são a busca por um corpo esbelto e a melhoria do desempenho atlético.

A testosterona é um esteróide anabólico produzido pelos testículos e considerado como o hormonio masculino. Primeiramente seria um erro considerar os anabolizantes somente como substâncias maléficas, pois possuem várias utilidades em tratamentos clínicos.

No entanto, muitas pessoas fazem a utilização desta substancia com outros fins e neste momento ela se torna um vilão para a saúde das pessoas. Alguns especialistas consideram que o problema do abuso dessas drogas não está com o atleta consagrado, mas com aquela “pessoa pequena que é infeliz em ser pequena”. Esse uso estético não é médico, portanto é ilegal e ainda acarreta problemas à saúde.

Através de injeções ou comprimidos as pessoas buscam a "realização de seus objetivos" com doses supra-fisiológicas e altamente prejudiciais à saúde.

No Brasil não se tem estimativa deste uso ilícito, mas sabe-se que o consumidor preferencial está entre 18 a 34 anos de idade e em geral é do sexo masculino. Nos USA, em 1994, mais de um milhão de jovens já tinham feito uso de esteróides anabolizantes.

No comércio brasileiro, os principais medicamentos à base dessas drogas e utilizados com fins ilícitos são: Androxon® Durateston®, Deca-Durabolin®. Porém, além desses, existem dezenas de outros produtos que entram ilegalmente no país e são vendidos em academias, farmácias e também, infelizmente, por profissionais de educação física. Muitas das substâncias vendidas como anabolizantes são falsificadas e acondicionadas em ampolas não esterilizadas, ou misturadas a outras drogas.

Alguns dos efeitos colaterais do abuso dos esteróides anabolizantes são: tremores, acne severa, retenção de líquidos, dores nas juntas, aumento da pressão sangüínea, DHL baixo (a forma boa do colesterol), icterícia e tumores no fígado. Além desses, aqueles que se injetam ainda correm o perigo de compartilhar seringas e contaminar-se com o vírus da Aids ou hepatite.

No homem pode diminuir a capacidade e o tamanho, reducão na contagem de espermatozóide, impotência, infertilidade, calvície, desenvolvimento de mamas, dificuldade ou dor para urinar e aumento da próstata.

Na mulher pode ocorrer crescimento de pêlos faciais, alterações ou ausência de ciclo menstrual, aumento do clítoris, voz grossa e diminuição de seios.
Nos adolescentes pode prejudicar a maturação esquelética e acelerar a puberdade.

Além disso, é comum o surgimento do "valentão", pois o abuso de anabolizantes pode causar variação de humor incluindo agressividade e raiva incontroláveis. Usuários assíduos, freqüentemente, tornam-se clinicamente deprimidos quando param de tomar a droga. Um sintoma de síndrome de abstinência que pode contribuir para a dependência.

Devido a todos esses efeitos o Comitê Olímpico Internacional colocou 20 esteróides anabolizantes e compostos relacionados a eles, como drogas banidas, ficando o atleta que fizer uso deles sujeito a duras penas. Os principais esteróides anabolizantes são: oximetolona, metandriol, donazol, fluoximetil testosterona, mesterolona, metil testosterona, sendo os mais utilizados no Brasil a Testosterona e Nandrolona.

Portanto, o alerta é para todos. Não julguem somente o atleta, pois isso é um problema que se extende muito além do ambito esportivo. As olimpiadas de 2016 estão chegando e até lá temos que construir um pensamento saudável.
REFLITAM, POR FAVOR!


Fonte: HE Assessoria Esportiva

Agora, meu caro biker, se você não dá uma "cabeçada" dessa, que tal entender como se deu A EVOLUÇÃO DO CICLISMO?