sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Declaração de Lance Armstong de 23 de agosto de 2012

Declaração de Lance Armstong de 23 de agosto de 2012

AUSTIN, Texas - 23 de agosto de 2012 -



Chega um momento na vida de todo homem, quando ele tem a dizer, "Chega". 
Para mim, esse momento é agora. 
Tenho lidado com alegações de que eu me enganei e tinha uma vantagem injusta em ganhar meus sete Tours desde 1999. 
Nos últimos três anos, fui submetido a um período de dois anos de investigação criminal federal seguido por Travis Tygart, caça da bruxa inconstitucional. 
Os efeitos atingiram minha família e meu trabalho, nossa fundação e me leva para onde eu estou hoje - terminando com esse absurdo. 


Eu tinha esperança de que um tribunal federal iria matar de charada USADA. 
Apesar do tribunal ser simpático às minhas preocupações e ter reconhecido as impropriedades e deficiências em muitos motivos USADA, sua conduta e seu processo, o tribunal de última instância, decidiu que não poderia intervir. 
Pensei por um momento que, participando no processo USADA, eu poderia confrontar essas alegações em um ambiente justo e - de uma vez por todas - enterrar esse assunto, então eu iria agarrar a chance. 
Mas eu me recuso a participar de um processo que é tão unilateral e injusto. 
Independentemente do que Travis Tygart diz, não há nenhuma evidência física para apoiar suas reivindicações estranhas e hediondas. 
A única evidência física aqui são as centenas de controles que passei com distinção. 
Fiz-me disponível o tempo todo e em todo o mundo. 
Em competição. 
Fora da competição.
Sangue. 
Urina. 
O que quer que eles pedissem para que eu fornecier. 
Qual é o ponto de todos os testes isso se, no final, USADA não vai ficar com ela? 
Desde o início, no entanto, esta investigação não tem sido sobre a aprendizagem da verdade ou a limpeza de ciclismo, mas sobre castigar-me a todo custo. 
Eu sou um ciclista aposentado, ainda assim a USADA apresentou acusações com mais de 17 anos de idade, apesar da sua limitação de 8 anos para isso. 
Como as organizações respeitadas, como UCI e Ciclismo EUA deixaram claro, USADA é incompetente até mesmo para trazer essas acusações. 
Os organismos internacionais que regem o ciclismo tem pedido para USADA parar, notificaram que ninguém deve participar dos processos impróprios da USADA, e deixaram claro que os pronunciamentos pela USADA que proibiu as pessoas para a vida ou despojado deles de suas realizações são feitas sem autoridade.
E, como muitos outros, incluindo árbitros próprios do USADA, ter encontrado, não há nada nem remotamente justo sobre seu processo. 
USADA tem quebrado a lei, virou as costas para as suas próprias regras, e de pune aqueles que têm tentado persuadir a USADA para honrar suas obrigações. 
Em cada turno, a USADA tem desempenhado o papel de um valentão, ameaçando a todos em seu caminho e desafiar a boa-fé de qualquer um que questiona seus motivos ou os seus métodos, todos às custas dos contribuintes norte-americanos. 
Durante os últimos dois meses, a USADA tem infinitamente repetido o mantra de que não deve haver um único conjunto de regras, aplicáveis a todos, mas eles têm arrogantemente se recusado a praticar o que pregam. 
Em cima de tudo isso, a USADA supostamente fez acordos com outros ciclistas que contornem as suas próprias regras, desde que eles disseram que eu estou enganado. 
Muitos desses cciulistas continuam a correr hoje. 
A linha de fundo é que joguei pelas regras que foram postas em prática pelo, UCI e AMA USADA quando eu corria.
A idéia de que os atletas podem ser condenados hoje sem amostras A e Bpositivos , sob as mesmas regras e procedimentos que se aplicam a atletas com testes positivos, perverte o sistema e cria um processo em que qualquer má vontade de um ex-companheiro de equipe pode abrir um caso USADA por despeito ou para ganho pessoal ou um ciclista pode cortar um doce tratamento para si.
É uma abordagem injusta, aplicada de forma seletiva, em oposição a todas as regras.
Não é apenas direito.
USADA não pode afirmar o controle de um esporte profissional internacional e tentativa de retirar os sete títulos do Tour de France.
Eu sei quem ganhou os sete Tours, meus companheiros de equipe sabe quem ganhou os sete Tours, e todos que competiram contra mim sabem quem ganhou os sete Tours.
Nós todos corremos juntos.
Por três semanas, sobre os mesmos caminhos, as mesmas montanhas, e contra todo o clima e os elementos que tivemos que enfrentar.
Não houve atalhos, não havia um tratamento especial.
Os mesmos cursos, as mesmas regras.
A mais difícil prova no mundo onde o homem mais forte vence.
Ninguém pode mudar isso.
Especialmente Travis Tygart.
Hoje eu virar a página.
Eu não vou mais tratar do assunto, independentemente das circunstâncias.
Vou empenhar-me ao trabalho que começou antes mesmo de ganhar um único título do Tour de France: servir as pessoas e famílias afetadas pelo câncer, especialmente aqueles em comunidades carentes.
Neste mês de outubro, minha Fundação vai comemorar 15 anos de serviço para os sobreviventes do câncer e do marco de levantar cerca de US $ 500 milhões.
Temos muito trabalho a fazer e eu estou ansioso para dar um fim a esta distração inútil.
Eu tenho a responsabilidade de todos aqueles que se adiantou para dedicar seu tempo e energia para a causa do câncer.
Eu não vou parar de lutar por essa missão.
Daqui para frente, vou me dedicar a criar minhas cinco belas (e energética) crianças, combater o câncer, e tentar ser mais forte aos 40 anos no planeta.

Carta Original

Lance Armstong's Statement of August 23, 2012 AUSTIN, Texas - August 23rd, 2012 -

There comes a point in every man's life when he has to say, "Enough is enough." For me, that time is now. I have been dealing with claims that I cheated and had an unfair advantage in winning my seven Tours since 1999. Over the past three years, I have been subjected to a two-year federal criminal investigation followed by Travis Tygart's unconstitutional witch hunt. The toll this has taken on my family, and my work for our foundation and on me leads me to where I am today – finished with this nonsense. I had hoped that a federal court would stop USADA’s charade. Although the court was sympathetic to my concerns and recognized the many improprieties and deficiencies in USADA’s motives, its conduct, and its process, the court ultimately decided that it could not intervene. If I thought for one moment that by participating in USADA’s process, I could confront these allegations in a fair setting and – once and for all – put these charges to rest, I would jump at the chance. But I refuse to participate in a process that is so one-sided and unfair. Regardless of what Travis Tygart says, there is zero physical evidence to support his outlandish and heinous claims. The only physical evidence here is the hundreds of controls I have passed with flying colors. I made myself available around the clock and around the world. In-competition. Out of competition. Blood. Urine. Whatever they asked for I provided. What is the point of all this testing if, in the end, USADA will not stand by it? From the beginning, however, this investigation has not been about learning the truth or cleaning up cycling, but about punishing me at all costs. I am a retired cyclist, yet USADA has lodged charges over 17 years old despite its own 8-year limitation. As respected organizations such as UCI and USA Cycling have made clear, USADA lacks jurisdiction even to bring these charges. The international bodies governing cycling have ordered USADA to stop, have given notice that no one should participate in USADA’s improper proceedings, and have made it clear the pronouncements by USADA that it has banned people for life or stripped them of their accomplishments are made without authority. And as many others, including USADA’s own arbitrators, have found, there is nothing even remotely fair about its process. USADA has broken the law, turned its back on its own rules, and stiff-armed those who have tried to persuade USADA to honor its obligations. At every turn, USADA has played the role of a bully, threatening everyone in its way and challenging the good faith of anyone who questions its motives or its methods, all at U.S. taxpayers’ expense. For the last two months, USADA has endlessly repeated the mantra that there should be a single set of rules, applicable to all, but they have arrogantly refused to practice what they preach. On top of all that, USADA has allegedly made deals with other riders that circumvent their own rules as long as they said I cheated. Many of those riders continue to race today. The bottom line is I played by the rules that were put in place by the UCI, WADA and USADA when I raced. The idea that athletes can be convicted today without positive A and B samples, under the same rules and procedures that apply to athletes with positive tests, perverts the system and creates a process where any begrudged ex-teammate can open a USADA case out of spite or for personal gain or a cheating cyclist can cut a sweetheart deal for themselves. It’s an unfair approach, applied selectively, in opposition to all the rules. It’s just not right. USADA cannot assert control of a professional international sport and attempt to strip my seven Tour de France titles. I know who won those seven Tours, my teammates know who won those seven Tours, and everyone I competed against knows who won those seven Tours. We all raced together. For three weeks over the same roads, the same mountains, and against all the weather and elements that we had to confront. There were no shortcuts, there was no special treatment. The same courses, the same rules. The toughest event in the world where the strongest man wins. Nobody can ever change that. Especially not Travis Tygart. Today I turn the page. I will no longer address this issue, regardless of the circumstances. I will commit myself to the work I began before ever winning a single Tour de France title: serving people and families affected by cancer, especially those in underserved communities. This October, my Foundation will celebrate 15 years of service to cancer survivors and the milestone of raising nearly $500 million. We have a lot of work to do and I'm looking forward to an end to this pointless distraction. I have a responsibility to all those who have stepped forward to devote their time and energy to the cancer cause. I will not stop fighting for that mission. Going forward, I am going to devote myself to raising my five beautiful (and energetic) kids, fighting cancer, and attempting to be the fittest 40-year old on the planet.