terça-feira, 25 de setembro de 2012

2º dia da Brasil Ride testa o poder de resistência dos competidores

Vídeo e depoimentos de Brou Bruto Drews, Henrique Avancini e Hugo Prado Neto no final do artigo!
RESULTADOS - 2ª ETAPA

BRASIL RIDE 2012: A ETAPA DA SUA VIDA
24 de setembro 2012 – O segundo dia da Brasil Ride 2012 reafirmou o de ser uma "etapa da vida" devido ao longo percurso de 143,6 quilômetros entre as cidades de Mucugê e Rio de Contas, percorrendo muitas trilhas, estrada de terra e travessias por lugares inospitos pela região com altas montanhas da Chapada Diamantina, Bahia.
A rotina numa ultramaratona de mountain bike é intensa, pois o acampamento desperta cedo, neste caso, aconteceu às 4 da manhã, num clima de apreensão, afinal, antecedia a largada de uma das etapas mais desafiantes do mundo numa competição neste formato, com duas serras que somam mais de 3300 metros de desnível acumulado (ou seja, subidas!) além do exótico singletrack apelidado de “vietnã”.

Após um café da manhã reforçado, os competidores largaram às 6 da manhã sob temperatura ideal para pedalar no coração do Brasil, com céu nublado e amenos 16 graus Celsius. Com isso o pelotão da frente avançou rapidamente pelo percurso, utilizando como referência o ponto de apoio 2 na cidade de Piatã, a mais alta cidade serrana de todo o Nordeste (1180 m de altitude), em que os moradores reçeberam os atletas com muita música e alegria.  
O piloto de automobilismo Christian Fittipaldi, que estreiou em sua primeira Ultramaratona de MTB: “Quando alinhei de manhã estava bastante nervoso, o que não acontece nas corridas de carro. Ao longo do percurso cheguei a empurrar a bicicleta, mas considero um grande resultado chegar ao final”, comentou Fittipaldi que emocionou-se na chegada ao relatar toda sua superação para completar o dia com 8 horas, 52 minutos e 22 segundos. Destaque também para a mais jovem atleta na Brasil Ride com 15 anos de idade: "É uma competição dura, mas muito bonita", disse Zsuzsa Gyurka de 15 anos, campeã nacional da Romênia, que compete ao lado do seu pai.
Na disputa pelo título da etapa “rainha”, o time de Portugal que veste a camisa amarela de líder fez uma estratégia de atacar os adversários na subida final, após os trechos técnicos.
“É uma etapa mítica da Brasil Ride, para mim é uma das etapas mais duras em toda minha vida, mas o importante é que nossa estratégia deu certo e chegamos ao final. Quero agradecer ao meu companheiro Tiago Ferreira pelo excelente trabalho, mas ainda temos 5 dias pela frente e vamos continuar lutando pelo título”, comentou Luís Leão Ferreira, da equipe Lapierre Cycles que assim estabeleceu um novo recorde da etapa com 6 horas e 21 minutos!
Uma das equipes favoritas, liderada por Bart Brentjens (campeão olímpico Atlanta 96) sofreu uma queda mais forte ao longo do percurso e terminou na 4ª colocação. O destaque ficou para os brasileiros, Gilberto Goís (atual campeão brasileiro de Maratona) e Josemberg Pinho “Montoya”, da equipe JC Bikes / TRUST, que terminaram na 3ª posição geral e asseguraram a camisa de líder como melhor time nacional. Os tchecos do time BMC Savo ficaram com o segundo lugar geral na etapa, e o time da Specialized Brasil, formado por Kohei Yamamoto e Daniel Carneiro, finalizou na quinta colocação geral.
O Brasil ainda foi destaque com vitórias nas categorias: mista, feminino, máster e grand máster. Mateus Ferraz, que compete com a alemã Ivonne Kraft assegurou a camisa de líder por mais um dia. Adriana Nascimento e Daniela Genovesi confirmaram o favoritismo e mantiveram a liderança; Abraão Azevedo e Paulo Freitas dominaram a categoria Máster, assim como o time formado por Marco Corrado e Marco Melo, de Ribeirão Preto/SP, que vestem pelo segundo dia a camisa rosa de líder nova categoria Grand Máster.
Brasil Ride 2012 tem o patrocínio da SHIMANO, RC BIKES, Governo da BAHIA /Bahiatursa-SUDESB. Frota oficial da FORD, vestuário oficial KAILASH. Suporte da Continental, Feel Good. Gorgeous, Isotônico Marathon, Mauro Ribeiro, Squirt e Valverde Ambulância.
Confira os resultados completos no site: www.brasilride.com



DEPOIMENTOS

Brutooooooo eu (Brou Bruto Drews) e Rosinha depois de 149 km e incríveis 7:16 hs brutalizamos demais e terminamos em quarto... To de cara tendo em vista os atletas que estavam presentes e nos superamos nú pêlo e na brutalidade... Valeu demais a máxima torcida... Sempre fortalece demais e aumenta em proporções agressivas nossa brutalidade...


Henrique Avancini: Ufa! Terminamos a etapa mais longa e dura do Brasil Ride com sucesso. Os 143km (c/ mais de 3.000m de desnível acumulados) são mais duros do que se pensa. A variação de terrenos, com muitas pedras, bancos de areias e muitas trilhas deixam a etapa ainda mais dura. Hoje cumprimos mais uma vez o objetivo estabelecido por nossa dupla (Equipe CALOI) que era de fazer a etapa razoavelmente bem, mas com a 
intenção de terminarmos a etapa sem sofrer muito, pensando na etapa de amanhã. E conseguimos. Nos mantivemos no grupo líder que contava com outras 4 duplas, até o km60 da corrida e depois decidimos seguir no restante da prova em nosso ritmo. Trabalhamos bem mais uma vez e conseguimos terminar na 7ª colocação geral e na 3ª colocação entre as duplas brasileiras. Amanhã tem mais.


Hugo Prado Neto: Brasil Ride 2012 report - Cape Epic 2010 DEJAVU? Já se foram tantas calorias gastas, tanta logistica, tantas dificuldades nos últimos dias que parece que já tem 1 mês que estamos aqui na Bahia. Eu sempre admirei Ultramaratonas de MTB e é 
por isso que desde 2006 venho me especializando especificamente para esse evento. Infelizmente nessa minha 9a ultramaratona meu parceiro de apenas 20 anos(Douglas Neto)está tendo dificuldades de fazer a prova. Fazer uma ultramaratona depois de uma temporada focada em XCO comigo talvez esteja sendo uma tall order, mesmo que ano passado nós fizemos uma excelente Brasil Ride. De qualquer forma, hoje, o dia mais longo o Arara nao se sentiu bem e ficou no 1o apoio(km 40 da prova) com o pensamento de abandonar a prova mas depois de encontrar outras duplas resolveu completar a prova. Possivelmente tomanos penalizacao de 1hr no tempo por terminarmos com diferença de + de 2min um do outro o que nos força, a partir de amanhã a tentar ir por resultados de etapa. É um pouco frustrante porque é um tipo de prova que mesmo quando estou mal consigo rodar bem, e também o nivel das duplas brasileiras e internacionais aumentaram esse ano e queria pelo menos ter a chance de brigar com o restante dos brasileiros. De qualquer forma nao existe espaço para ego aqui e no final das contas todas as duplas se tornaram companheiras e viram uma festa só no jantar de premiacao, porque a jornada de uma ultramaratona só mesmo quem fez ou está fazendo uma pode contar. Gráfico do dia 1o dia, depois da quebra do meu parceiro fui em busca nao das outras duplas na ponta da prova mas em abaixar o nosso tempo do ano passado, afinal quem tem competicao no sangue, sabe, que no final, a luta nunca é contra os adversários mas contra você mesmo. Quem faz esportes e ainda nao entendeu isso ainda nao chegou no ápice de ser um atleta realmente competitivo. Amanhã tem mais e é um XCO individual, eu vou pra morte com certeza, se eu nunca deixei de terminar uma ultramaratona na minha vida, com certeza nao vai ser nessa! Em 2010 meu parceiro Uirá de Castro falou que iria parar na 3a etapa do Cape Epic, acabei indo sozinho, e depois ele chegou e fomos penalizados em 1hr no nosso tempo. Depois desse dia o UIrá virou um monstro em cima da bike e e levou durante todo o contra relogio Worcester, será que estou tendo um Desavu com o Douglas aqui, espero que sim! Obrigado a todos pela força, ajuda e torcida aê!