terça-feira, 18 de setembro de 2012

Rui Guimarães sagra-se vencedor da terceira edição da Douro Bike Race


Depois de quatro intensos dias de prova, nas Serras do Marão, Alvão e Aboboreira, chegou ao fim a prova de BTT “Douro Bike Race” que trouxe a Amarante 650 atletas.



Rui Guimarães (Terríveis/Tomobike/Metalocardoso), natural de Amarante, sagrou-se vencedor desta competição de BTT considerada como a maior do país, ao lado de conhecidos nomes da modalidade, como David Rosa, Alejandro De La Peña, Celina Carpinteiro, Carlos Cabrita, Sandra Santanyes, Mário Costa e Emanuel Pombo.      


O betetista amarantino Rui Guimarães (Terríveis/Tomobike/Metalocardoso) foi o vencedor do nível EPIC, da terceira edição da Douro Bike Race, uma prova internacional de BTT que, este ano, contou com a participação de 650 atletas, e decorreu, de 13 a 16 de Setembro, nas míticas Serras do Marão, Alvão e Aboboreira, com a partida para os percursos a ser feita em pleno centro histórico de Amarante.



“Nestes quatro dias senti o apoio total de Amarante e uma grande responsabilidade para com a cidade. A vitória foi, por isso, muito saborosa”, contou Rui Guimarães.




Este ano, o betetista começou a competição em Janeiro e conquistou vários pódios. “Recentemente, fui Campeão Regional do Porto. E, agora, juntar este título da DBR aos restantes é terminar em beleza”, assegurou.



Apesar de ter vencido apenas a etapa realizada na Serra do Marão, o atleta amarantino conseguiu uma confortável vantagem na classificação geral, que foi consolidando com os tempos conseguidos nas etapas do Alvão e da Aboboreira, onde foi terceiro e segundo, respectivamente.



“As etapas foram de uma dureza extrema. Tem de se estar muito bem preparado. A etapa de ontem, no Alvão, por exemplo, foi complicadíssima. Os percursos têm muitas pedras; são irregulares o que os torna muito difíceis. Mas para quem gosta de BTT, estes percursos são ideais”, explicou.  



Rui Guimarães tem, ainda este mês, pela frente o Campeonato Regional de Cross-Country, para o qual quer “manter a liderança”.



Na geral do nível EPIC, da categoria Open Men, Rui Guimarães terminou, assim, em primeiro com o tempo total de 12h37m38s e uma vantagem superior a sete minutos relativamente ao Campeão espanhol de maratonas Alejandro De La Peña (GR-100-Specialized).



Na terceira posição da geral surge José Rodrigues (Famalicão Epic Team), com 13h07m48s.



Categorias Open Women, Masters Men e Seniors Men



Na categoria Open Woman, também na classificação geral, a actual Campeã espanhola de maratonas Sandra Santanyes (Esteve) foi a grande vencedora, com 15h56m8s.

“O balanço é, sem dúvida, positivo. Estou muito satisfeita com o resultado desta competição. Foi, para mim, uma excelente experiência. Estes quatro dias foram duros, mas para quem gosta de BTT não poderiam ter sido melhores. Tenho feito algumas provas em Portugal e os percursos têm-me agradado bastante. Para o ano, se for possível, quero voltar a participar na DBR”, referiu Sandra Santanyes.  


Celina Carpinteiro (BTT Loulé/BPI) ocupa a segunda posição, com um total de 16h18m23s. A Campeã Nacional de XCO e XCM (Maratonas) faz um balanço positivo da DBR. “Foram quatro dias intensos; provas duras; altas temperaturas e percursos muito exigentes. Pese embora a dureza dos percursos, a beleza destas serras é impressionante. É sempre um prazer pedalar por estes trilhos. A organização está, por isso, de parabéns pelo sucesso desta DBR”, concluiu Celina Carpinteiro que, em breve, tem pela frente o Campeonato, para o qual espera “estar em forma”.



Em terceiro ficou Ana Faria Gonçalves (Famalicão Epic Team), com um total de 17h32m45s.   



Quanto aos Masters Men, e sem grandes surpresas, Arlindo Gaspar (Airbike) foi o vencedor, com o tempo de 14h12m34s .  



Com 14h45m34s, na segunda posição, ficou Paelinck Peter (www.Reevax.be), seguido de António Catarino (BTT Loulé/BPI), com 15h12m22s.  



Nos Seniors Men, o Veterano Carlos Cabrita (BTT Loulé/BPI) foi o mais forte, com 15h11m40s.



Em segundo, na geral, está Eduardo Simal (Tres Mares – La Milana), com 15h29m20s.



Em terceiro, Abílio Moreira (Airbike), com 15h57m26s.



David Rosa venceu última etapa do EPIC



A terceira e última etapa da DBR decorreu, hoje, na Serra da Aboboreira, com um total de 50 quilómetros e 1600 metros de acumulados de subidas. A vitória coube a David Rosa (GAF), com o tempo de 2h27m50s, na categoria Open Men.



“Venci o prólogo desta edição, mas na segunda etapa desidratei, tive um furo, senti-me mal e, a partir dai, abdiquei da geral. Hoje, era uma etapa que até pensei que se me sentisse bem, poderia acompanhar os líderes, mas se me sentisse mal, deixava. No entanto, correu bem. Recuperei um pouco mais do que estava à espera. Cedo vi que estava com mais facilidade do que os meus adversários. Meti o meu ritmo a subir, mas a descer perdi algum tempo. Apesar disso, no final, correu bem”, salientou o atleta, que terminou na oitava posição da geral, com 13h24m1s.



Com 25 anos, o também Campeão Nacional de XCO estreou-se, recentemente, em Jogos Olímpicos na capital britânica, tendo terminado a prova de BTT "cross-country" no 23.º lugar.



“Adorei esta edição da DBR. O espírito de companheirismo e os percursos escolhidos pela organização pautaram pela excelência. Foram trilhos duros, muito técnicos, mas muito interessantes. Se possível, esta é uma experiência a repetir”, avançou David Rosa, que, brevemente, irá programar a próxima época.



Na segunda posição da etapa da Aboboreira, ficou Rui Guimarães (Terríveis/Tomobike/Metalocardoso), com 2h30m4s. Foi terceiro Alejandro De La Peña (GR-100-Specialized), com o tempo de 2h31m37s.



ADVENTURE e RIDE



A terceira etapa do nível EPIC realizou-se, novamente, em conjunto com a prova ADVENTURE, com a partilha de percurso, na ABOBOREIRA.



Na geral, a vitória coube a Nuno Sevilha Alves (Candybike/Interdesign/Metal Trigueira), com 8h15m54s, seguido de Daniel Ferreira (Danibikes.com – Scott), com uma diferença de mais de dois minutos. André Resende foi terceiro, com 8h23m10s.    



No nível RIDE, prova com apenas um dia, e considerada a mais acessível, venceu Luís Leite (Terríveis/Tomobike/Metalocardoso), com 2h51m41s.



Foi segundo Bruno Carneiro (Aranhiços BTT/Café Feital), com pouco mais de oito minutos. David Raquel (ATXcyclingstore) foi terceiro, com 3h7m7s.



Nomes sonantes da modalidade na DBR



Foram muitos os nomes sonantes que integraram a lista de participantes desta terceira edição da DBR, como David Rosa, Campeão Nacional de XCO (Cross Country Olímpico) e Atleta olímpico Londres 2012; Mário Costa, Campeão Nacional de XCO; Celina Carpinteiro, Campeã Nacional de XCO e XCM (Maratonas); Alejandro De La Peña, Campeão Espanhol de Maratonas; Sandra Santanyes, Campeã Espanhola de Maratonas; Carlos Cabrita, Multi campeão nacional de XCO e XCM e Emanuel Pombo, Campeão Nacional de Downhill 2012.



Habituado a descidas, Emanuel Pombo pôde, na DBR, comprovar a exigência de muitas subidas que teve de enfrentar nos diferentes trilhos. “Não estou habituado a este tipo de percursos, mas adorei esta experiência. Se em termos de calendário for possível, para o ano, quero cá estar novamente. Não há dúvida de que, para quem gosta de BTT, esta foi uma prova absolutamente incrível e de uma dureza extrema”, frisou o Campeão Nacional de Downhill 2012.



“Balanço positivo”



Depois de quatro intensos dias de prova, a organização da DBR faz um balanço positivo. “Foi um grande desafio, não só para os atletas como para a organização. A colocação da base da prova perto do centro histórico teve um grande impacto na cidade, mas para nós [organização] exigiu muito trabalho, mas penso que, a nível geral, correu muito bem. Todos os elementos do staff foram incansáveis. Quanto aos atletas que fizeram estes quatro dias de prova estão de parabéns. Os percursos eram muito duros; estava muito calor, o que dificultou ainda mais as coisas, por isso mesmo foi um enorme desafio para todos eles. Para os restantes níveis que fizeram um e dois dias de prova, esperamos que, para o ano, participem nos quatro dias”, referiu o director de prova, João Marinho.



O feedback recebido pelos atletas, ao longo destes dias, foi positivo. Unanimemente, os participantes desta terceira edição da DBR reconheceram que “a organização se esmerou” na escolha dos percursos.



“Escolhemos os trilhos a dedo e a selecção que fizemos para estes quatro dias, a nosso ver, são do melhor que temos cá na nossa região, em cada uma das serras, com trilhos únicos e paisagens magníficas. É arrepiante o feedback que temos recebido dos atletas. Isto dá-nos muita força para continuarmos”, contou o director da DBR.



Amarante como pano de fundo da DBR      



A localização de Amarante permite interagir com as Serras do Marão, Alvão e Aboboreira de uma forma intensa, sendo “ideal para a base do evento”, considerou a organização.



A abundância de monumentos, eventos culturais e a sua riqueza gastronómica são factores aliciantes para quem visita a cidade.



Durante os quatro dias de prova da DBR, Amarante recebeu mais de 1500 visitantes. O movimento nas ruas foi notório. Pastelarias, cafés, restaurantes e hotéis não tiveram mãos a medir com tanto trabalho. “Temos a perfeita noção que, para a economia local, a DBR teve um impacto muito positivo”, frisou o coordenador geral, José Silva.



Para o ano, está já definida uma data para a realização da DBR que, assim, vai decorrer, em Amarante, entre os dias 11 e 14 de Setembro de 2013. “A 15 de Outubro, vamos divulgar todas as informações sobre a quarta edição”, adiantou José Silva.



Organizada pela “Nexplore Lda - Sports Events & Bike Products”, fundada por João Marinho e José Silva esta competição trouxe, até Amarante, 650 atletas.

“Foi emocionante ter, aqui, todo este pelotão. Poder ver esta moldura humana foi, simplesmente, mágico”, finalizou João Marinho.