segunda-feira, 21 de outubro de 2013

As primeiras feras do BRASIL RIDE 2013 mostram suas habilidades na 1ª etapa Prólogo em Mugugê - BA

BRASIL RIDE 2013 CONSOLIDA O ESPORTE E O TURISMO NA CHAPADA DIAMANTINA-BA
Bahia é a capital do mountain bike mundial com abertura da principal ultramaratona das Américas
A quarta edição da Brasil Ride - principal Ultramaratona de Mountain Bike das Américas - começou neste domingo, dia 20 de outubro 2013, na cidade de Mucugê (BA), considerada uma das cidades mais charmosas da região da Chapada Diamantina.
Tradicionalmente, o primeiro dos sete dias do maior desafio em mountain bike já realizado em solo brasileiro, inicia-se com o prólogo de aproximadamente 19 quilômetros, com a participação de mais de 300 atletas de 20 países e 24 diferentes estados brasileiros, com a presença de 8 campeões mundiais e um campeão olímpico.


“A prefeitura (Mucugê) não mediu esforços para que esse evento acontecesse, no intuito de arrumar e embelezar a cidade para receber com carinho todos vocês (atletas)”, comentou a prefeita de Mucugê Ana Medrado, durante o briefing antes da largada.
“Para o Secretário de Turismo do Estado (Domingos Leonelli) a Brasil Ride começa a ser patrimônio da Bahia com a grande contribuição que traz para o turismo da região” acrescentou Wesley Moreria da Bahiatursa, após o discurso animado da chefe da gabinete da Secretária do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, Olivia Santana.
Na pista, a disputa começou acirrada entre os melhores do mundo: “Essa etapa foi muito técnica, já participei de diversos prólogos, mas definitivamente foi o prólogo mais técnico que já fiz. Normalmente depende muito dos ciclistas, mas hoje dependeu muito do equipamento, uma bicicleta full suspension para atravessar os trechos de pedras faz a diferença. Nos perdemos tempo no trecho técnico com as pedras mas recuperamos no asfalto”, comentou o suíço Christoph Sauser, atual campeão mundial de MTB Maratona, que estreia com vitória na Brasil Ride ao lado do japonês Kohei Yamamoto.
A grande notícia para os brasileiros foi a vitória de Abraão Azevedo na categoria Máster, que compete ao lado do campeão olímpico Bart Brentjens. “Não vou falar sobre a etapa, mas vou falar sobre meu parceiro, ele está muito forte, nós nos demos muito bem juntos, quase mantivemos a mesma velocidade o tempo todo; ele é um pouco mais rápido nas subidas técnicas e longas; se pedalarmos bem nas partes técnicas, sem assumir riscos, iremos bem. É sempre mais difícil para mim, vindo da Europa, a temperatura e a chuva, não temos uma prova nessas condições, mas fomos bem e é bom começar dessa forma”, comenta o holandês da equipe Superior Brentjens.
Na categoria mista, os atuais bicampeões da Brasil Ride, Mateus Ferraz e Ivonne Kraft confirmaram o favoritismo, motivados com o novo patrocinador. “No prólogo procuramos fazer num ritmo forte, mas de maneira conservadora para não arriscar. A nova bicicleta Niner é incrível, sendo ágil e confortável neste percurso super técnico. E a cada ano, eu aprendo mais com minha parceira”, comentou Mateus.
Entre as mulheres, a norte-americana Rebecca Rusch, conhecida como “Rainha da Dor”, e sua parceira, deram um espetáculo a parte, acirrando a disputa do título na categoria, travando uma disputa particular com as brasileiras, Daniela Genovesi e Sabrina Gobbo.
“Relacionando a prova ao meu apelido, tive dor e diversão ao mesmo tempo, com a diversão a dor para! Eu adoro o Brasil! Para mim a primeira etapa é sempre a mais difícil porque o corpo sofre uma mudança brusca de intensidade, pedalar por uma hora o mais forte possível, a antecipação do trajeto, o desconhecido, e finalmente quando começa é isso que você tem que fazer, então é bom ter terminado essa primeira etapa, apesar de termos arranhados, roda danificada, tudo em somente uma hora, mas adorei o percurso”, comentou campeã do dia, Rebecca Rusch.
“A prova em si é fantástica, diferente, nunca tinha corrido algo assim, muito legal, as trilhas, fenomenal! Um lugar fantástico do país; se fosse tudo assim para mim seria bom, bem técnico. Amanhã é uma etapa longa, pedalar com a cabeça, trabalhar bastante o psicológico, acho que não vai ser fácil”, comentou Márcio Ravelli, deca-campeão brasileiro, que compete pela primeira vez ao lado do Márcio May, ciclista experiente com três participações olímpicas.
Na Grand Máster, os atuais campeões da Brasil Ride, Heleno Borges e Dorivaldo Abreu, do Distrito Federal, saíram na frente dos cearenses Alfredo Montenegro e José Filho, nesta que é uma das categorias (para acima de 50 anos) mais disputadas desta ultramaratona de MTB.
O primeiro dia da Brasil Ride agradou os ciclistas, neste que foi um aperitivo do que vem ao longo da semana: “A inserção da Brasil Ride no ranking da UCI põe o Brasil no calendário mundial, isso significa que haverá mais atletas internacionais, como já se percebe, eles vem aqui, experienciam a prova pela primeira vez, voltam para casa, falam sobre a Brasil Ride, com tantos elogios, tenho certeza. Então ter alguns atletas UCI aqui assegura a qualidade do evento. Definitivamente, foi o que eu fiz a dois anos atrás e é o que faremos esse ano; e por isso acho que a Brasil Ride pode atrair mais estrangeiros, porque é uma ótima prova, é uma prova difícil, mas é maravilhosa; a hospitalidade, a comida, a organização é muito boa, e quando você une tudo isso com belas férias, na praia, no Rio, eu acho isso sensacional, isso é exatamente o que atrai mais atletas”, comentou Melanie Leveau, da Suíça, que compete ao lado de Andrea Marcellini.
O segundo dia da Brasil Ride terá percurso de 139km entre Mucugê à Rio de Contas, com total de 3096 metros de subidas acumuladas.
Resultados completos no site: www.brasilride.com