quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Christian Fittipaldi participa da Brasil Ride 2013 com equipe Scott-Fittipaldi

Brasil Ride 2013
Piloto reforçou time de ciclistas em uma das provas mais duras do MTB nacional na Chapada Diamantina (BA)
A equipe Scott-Fittipaldi superou uma das provas mais duras do MTB nacional: a Brasil Ride 2013, que aconteceu na última semana, na Chapada Diamantina (BA). Nessa edição, o time de ciclistas contou com a participação especial do piloto Christian Fittipaldi, um dos grandes nomes do automobilismo no Brasil que participa da competição pelo segundo ano consecutivo. Ao todo, a marca foi representada por seis atletas.

Durante sete dias, os participantes encararam a quarta edição de um dos principais desafios do mountain bike brasileiro. Marcado por variações de terreno e calor intenso, o trajeto exigiu muito das partes técnica, física e psicológica dos competidores. Foram mais de 600 km de percurso, com 12.240 metros de subidas acumuladas e passagem por 14 municípios.
“Sempre dá um frio na barriga partir para o Brasil Ride. O primeiro desafio foi chegar à Chapada, depois passar pelos obstáculos como subidas longas, piso pedregoso e irregular, trilhas técnicas e o calor que era de matar. Posso afirmar que foi a prova mais dura que já participei em toda minha carreira”, analisa Odair Pereira, o team manager da Scott-Fittipaldi e um dos maiores nomes da história do MTB brasileiro.
Odair fez dupla com Christian Fittipaldi durante a disputa. O atleta elogiou a determinação e a qualidade do piloto de automobilismo.
“O Christian é um atleta competitivo por natureza, ele não tem medo de ultrapassar os próprios limites. Isso faz com que ele se divirta muito nessa modalidade e se supere a cada etapa. É fácil fazer dupla com ele. Eu me surpreendo com a capacidade que ele tem de se recuperar. É um atleta que sempre acorda disposto”, diz Odair.
Além de Christian Fittipaldi e Odair Pereira, a equipe contou com as parcerias formadas por João Paulo Firmino/Reginaldo Mariano, que terminou em 11º no geral da categoria Open, e Daniel Giatti/ Marcio Torres, que ficou em 35º. Segundo Odair, a relação entre as duplas é fundamental para um bom desempenho no trajeto.
“Os parceiros, por mais que treinem juntos, sempre levam consigo uma diferença. Por isso, quando um desanima, o outro tem que estar bem psicologicamente para levar a dupla adiante e continuar a corrida. É preciso que a dupla tenha claro em mente os objetivos quando entrarem na prova para poderem se ajudar. Do contrário as desavenças podem ganhar proporção e a dupla acaba não alcançando as metas”, completa.
A equipe Scott-Fittipaldi utiliza luvas, capacetes e sapatilhas Scott, ciclocomputadores CatEye, pneus WTB, componentes Syncros, selantes de pneu Café Latex (Effeto Mariposa), correntes Connex, Pragma, pedais Crank Brothers, óleo T -9 Boeshild e gel Carboom.
Fotos: Scott-Fittipaldi/Divulgação