sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Operação "Brinquedo Legal" nas lojas de bicicletas

Empresários paulistas em alerta após fiscalização surpresa da Polícia Civil
 
Empresários paulistas estão em alerta após as primeiras autuações nas lojas de bicicletas durante a operação “Brinquedo Legal”, realizado pela Polícia Civil desde a manhã de ontem, quarta-feira (9) na cidade de São Paulo.

O objetivo é apreender brinquedos irregulares e de acordo com a Divisão de Investigações Sobre Infrações contra o Consumidor, do Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC), cerca de dez comerciantes foram detidos e multados por venderem produtos em desacordo com as normas, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo.

“A Polícia já esteve em mais de 6 lojas de bicicletas na Grande São Paulo para verificar todas as certificações dos produtos infantis”, revelou um lojista da zona oeste de São Paulo que preferiu não se identificar, no qual entende-se por bicicletas de uso infantil aquela bicicleta cuja altura máxima do selim se encontra compreendida entre 435 mm e 635 mm, conforme determinado pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia).(http://www.inmetro.gov.br/fiscalizacao/treinamento/bicicletas.pdf)

De acordo com o DPPC, as irregularidades mais encontradas foram a falta de selo de qualidade do Inmetro, a ausência de instruções nas embalagens e a indicação da idade ideal para o uso do brinquedo.
A fiscalização ocorre após alguns dias do anúncio do “recall” das bicicletas infantis da Caloi (http://economia.estadao.com.br/noticias/economia-brasil,caloi-convoca-recall-de-bicicleta-na-semana-do-dia-das-criancas,166639,0.htm), sendo que a maioria dos comerciantes fiscalizados vendem bicicletas e equipamentos de marcas importadas.

“Um colega foi autuado por não ter informações em português em 62 itens, entre eles, luvas, manoplas e capacetes”, acrescentou o empresário que revelou em “offo” comas marcas dos produtos, que são mundialmente reconhecidas pela alta qualidade e são comercializadas oficialmente no país.

“Muitos lojistas fecharam as portas hoje”, completa o empresário, em entrevista nesta quinta-feira, ao Bike na Mídia.

Os fatos apresentados e depoimentos geram suspeitas na conduta desta operação pela Polícia Civil, diante de comerciantes que negociam bicicletas e equipamentos importados, justamente prezando pela alta qualidade, mesmo sobre produtos que implicam alta carga tributária. Por outro lado, sempre deve haver coerência para que esta operação sirva verdadeiramente para garantir prevenção de acidentes e/ou prejudicar consumidores.

Reportagem por Andre Piva (MTB 02344)