sexta-feira, 3 de abril de 2015

De volta ao Brasil, Cocuzzi e Jaque Leal contam os desafios do Pan de MTB

Representantes da Equipe Lar na Seleção Brasileira, atletas Scott descrevem o que aconteceu durante a competição na Colômbia
São Paulo (SP) – Os atletas Scott Luiz Henrique Cocuzzi (Sub-23) e Jaqueline Leal (Júnior), representantes da Equipe Lar Nossa Senhora na Seleção Brasileira de MTB, mostraram muita força de vontade no Campeonato Pan-Americano da modalidade, disputado no último final de semana, na Colômbia.
Os jovens competidores superaram os mais diversos obstáculos para conseguir terminar a prova. O resultado foi uma medalha de ouro no XCE, um TOP 5 na Sub-23 e um TOP 10 na Júnior. Confira o que eles disseram sobre a disputa:
[SCOTT] Como foi a prova de vocês?
[Luiz Henrique Cocuzzi] Consegui uma boa largada e logo tomei a frente. Na primeira curva, eu vi duas opções. Como não tinha a fita dividindo o trajeto e separando a entrada errada, eu me confundi. Peguei a que tinha feito no dia anterior no Eliminator, mas eles mudaram. Quando voltei pra pista vi que todos já tinham passado. Foi uma prova de recuperação e superação. Ainda tentei buscar. Fui passando um por um. Não desisti. Forcei, ultrapassei, desci da bike e até corri. Quando finalmente vi o caminho livre, os primeiros colocados já estavam à frente. O peito queimando, dor de cabeça, eu estava quase desmaiando, mas só pensava em terminar a prova. Apesar do resultado, estou feliz com meu desempenho. Quando cheguei, o pessoal da equipe me deu os parabéns pelo esforço.
[Jaqueline Leal] Larguei bem, em 4º lugar e mantive a posição até a segunda volta. Foi numa das subidas que emparelhei com outra atleta, acho que era colombiana, e fui levando cotovelada. Infelizmente caí e depois tive que recuperar posições. Acabei terminando em 7º lugar. Estou muito feliz por ter participado de uma prova internacional. Tive concorrentes fortes. Foi uma emoção muito grande. Espero poder continuar disputando provas desse nível.
[SCOTT] Em que momento o fator altitude (2.500 metros) começou a pesar?
[Luiz Henrique Cocuzzi] No final, eu estava quase desmaiando. Foi bem complicado, mas eu já tinha colocado na cabeça que não poderia desistir. A pista ainda tinha muitos trechos de singletrack, o que complicava as ultrapassagens. Em outras partes, tinha que descer da bike, carregar nas costas. Quem é atleta sabe que isso quebra o ritmo. Felizmente, consegui buscar as posições e terminar com um quarto lugar.
[Jaqueline Leal] No começo eu senti só um pouco. A altitude começou a pesar um pouco depois da segunda volta. Aí ficou complicado. A gente tinha que encarar muitas subidas e isso dificultou bastante. Parece que a pista tinha sido desenvolvida especialmente para os colombianos, sabe? (risos) Ainda bem que estava preparada para esse tipo de corrida.
[SCOTT] Como é o relacionamento de vocês no dia a dia?
[Luiz Henrique Cocuzzi] Estou sempre disponível para ajudar o máximo que eu puder. Eu sou assim com todo mundo, sabe? Gosto de dar dicas e orientar. De que adianta você ter o conhecimento e guardar pra você? A gente tem que passar o que sabe. Mais que aprender é passar a informação para outras pessoas também. (risos)
[Jaqueline Leal] Luiz Henrique estava sempre do meu lado. Um verdadeiro companheiro. Ele fez tudo o que um irmão faz. Cuidava de mim, do que eu comia, do que eu bebia, me passava orientações e dicas. Falou para usar a cabeça, não sair muito forte na largada. Foi muito bom. Espero poder viajar com ele em muitas outras provas assim.
[SCOTT] Além da Copa Internacional, quais são os próximos objetivos pela frente?
[Luiz Henrique Cocuzzi] Agora quero pensar na Copa Internacional e mais pra frente na Copa do Mundo. Estarei mais concentrado com certeza. O Campeonato Pan-Americano me deixou mais confiante. Sei que estou fazendo certo e vou evoluindo. Quero ir conquistando cada vez resultados melhores.
[Jaqueline Leal] Vamos para São João Del Rey! (risos) Manter a rotina de treinos, exercícios e descanso. Sempre nos alimentando bem. Agora sobre competições de fora do Brasil, penso também na Copa do Mundo. Os concorrentes são mais fortes, mas eu estarei bem preparada, alimentada, descansada e focada na corrida. Ah! E com certeza eu penso na vaga olímpica. Desde pequena, meu sonho é disputar uma Olimpíada e – quem sabe um dia – trazer uma medalha para o Brasil.
A Scott é considerada uma das principais marcas do ciclismo mundial. Com grande foco em engenharia, tecnologia e inovação, seus produtos são referência quando o assunto é bicicleta. No Brasil, a marca suíça é distribuída há mais de 20 anos pela IGP Sports, sempre trabalhando com marcas premium de prestígio mundial.